| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

Save the planet
Desde: 27/05/2013      Publicadas: 12      Atualização: 27/06/2013

Capa |  Ambiente Sustentável  |  Menos lixo mais saúde  |  Saúde Coletiva  |  Tecnologias educacionais  |  Transforme-se transformando


 Menos lixo mais saúde

  18/06/2013
  0 comentário(s)


Ex-catadores do lixão, em Campos, RJ, estão sem trabalho

Trezentos ex-catadores viviam do trabalho no lixão.
Representantes da Alerj visitaram local e discutiram a situação.

Ex-catadores do lixão, em Campos, RJ, estão sem trabalho
Os ex-catadores do lixão do bairro Codin, em Campos dos Goytacazes, Norte Fluminense, continuam sem trabalho. Cerca de 300 pessoas viviam do local, metade foi contratada pela empresa responsável pela limpeza pública da cidade, e o restante passou por cursos de qualificação profissional, mas estes ainda não foram contratados.
A usina de reciclagem era uma das esperanças dos ex-catadores, e pelo menos 90 pessoas seriam empregadas, mas esta ainda não está funcionando. O secretário de Serviços Públicos explicou que a unidade não vai mais ser inaugurada, porque o lugar não atende às normas da Lei Nacional de Resíduos Sólidos.
A Comissão Especial dos Lixões, da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro fez uma vistoria no lixão nesta sexta-feira (17) e, entre os problemas encontrados, constatou que o chorume, líquido tóxico que existe nos lixões, pode afetar o lençol freático e contaminar rios e lagos próximos.
Os lixões de cinco cidades já foram visitados, mas Campos dos Goytacazes foi a primeira do Norte do estado a receber os representantes da comissão especial. O trabalho da comissão deve durar sete meses e, ao final, um relatório será apresentado. Durante a visita a Campos, o criticou a situação de abandono dos ex-catadores.
Os representantes da Alerj também estiveram no aterro sanitário em Conselheiro Josino, que passou a receber todos os resíduos que eram levados para o lixão. Segundo a deputada Janira Rocha, há várias irregularidades no local, que não possui um centro para tratamento de chorume. Ele informou que a comissão fará um acordo com a Universidade Estadual do Norte Fluminense para pesquisas sobre a contaminação da água.
O lixão do Codin recebia 28 toneladas de lixo por dia e foi fechado em junho de 2012 por determinação da Aeronáutica, por causa do número de urubus que viviam na região e colocavam em risco os voos no aeroporto da cidade.
A reportagem da Inter TV entrou em contato com a prefeitura de Campos que informou que sobre a situação dos ex-catadores já foram tomadas as medidas cabíveis ao município para ajudá-los. Com relação à denúncia de contaminação de rios e lagos próximos ao lixão, a prefeitura negou que exista tal contaminação por chorume.
Também segundo a prefeitura, a usina de reciclagem deverá ser substituída por pequenas usinas, ainda sem prazo para construção. Já em relação às denúncias no aterro sanitário de Conselheiro Josino, a prefeitura informou que obra atende à todas as normas ambientais que constam no licenciamento fornecido pelo Inea e, que o chorume, apesar de não ser tratado no local, é levado para outro local de tratamento.






Capa |  Ambiente Sustentável  |  Menos lixo mais saúde  |  Saúde Coletiva  |  Tecnologias educacionais  |  Transforme-se transformando
Busca em

  
12 Notícias